domingo, 14 de janeiro de 2007

Tangos

De repente, todos na minha família resolveram se interessar em fazer aula de dança de salão. A idéia é empolgante: a atividade estimula a socialização, trabalha músculos e o sistema cardio-respiratório, desenvolve a coodenação motora, é divertida... O difícil parecia ser compatibilizar o horário de todos e a modalidade. Meu pai tem mais inclinação para o bolero, minha filha prefere samba de gafieira, minha irmã quer forró... O horário ainda é um desafio, mas, pasmem, existe uma dança que todos querem aprender: Tango! Na hora dos ajustes, é claro que também me empolgo: quero dançar tango! Vem de imediato à minha mente a famosa cena de Al Pacino no fime Perfume de mulher (é de 1992, se você não o viu, não perca!) e suspiro enquanto comento com os outros a minha lembrança. Um amigo chileno reage: "Por que toda mulher gosta deste filme?". Na hora, rebato: "E por que todos os homens gostam de 'O poderoso chefão'?". O assunto se desviou e esquecemos o tango. Em casa, à noite, ligo a TV depois de dançar com amigos (é bom já ir treinando...) e, surpresa, vejo a figura impagável do oficial cego Frank Slade na minha telinha! Coincidência, o filme estava passando em um desses canais a cabo. Assisti como se fosse a primeira vez. Emocionei-me com as cenas, os temas ligados à superação e à amizade, as mensagens de ética e dignidade. Mas, confesso, continuo achando a cena do tango incomparável. Por que as mulheres gostam tanto desse filme? Bom, meu amigo chileno, vou falar por mim. Gosto da maneira como o personagem do Al Pacino enxerga (ainda que cego!) as mulheres. Ele as idolatra, as adora. É capaz de viver e morrer por elas. Com certeza, é um excelente amante! Dentro da casmurrice do personagem, a docilidade com que ele se dirige às mulheres (todas!) é comovente. Mas é uma docilidade por vezes agressiva, libidinosa! Na antológica cena, ele dança tango com uma jovem que estava sozinha em um restaurante à espera de um namorado que, parece, a negligenciava. O tango redimiu aquela mulher. Ela é outra depois da dança. E quem a refaz? Frank Slade/Al Pacino! Acho que todas nós sonhamos com um homem que nos faça sentir vivas, sedutoras, seguras, atraentes, perfeitas... Um homem paradoxalmente sensível e rude, que nos tome nos braços e nos ajude a viver. Como diz o protagonista, a vida é como um tango, se você erra um passo, você simplesmente continua... Ah! Ia me esquecendo: além de tudo, é um sujeito leal, honesto com seus sentimentos, por isso jamais fingiria ser o que não é só para conquistar uma mulher. Bom... acho que é por isso, sobretudo, que as mulheres gostam do filme. E os homens... o que os leva ao Poderoso chefão? Será também o Al Pacino?...

3 comentários:

michelle disse...

huhuh atualizaações feitas mt baummmm!!!!
É...Quanto às mulheres confirmo: nada com se sentir segura com um homem que nos tome nos braços e nos ajude a viver.ahhhhh os tempos...Mas e homens, será mesmo o Al pacino, ou o eteriotipo de ser sempre um chefão rsss.bejusss

Vinicius Moreira disse...

Prof. Tereza.
Você é uma mulher.
Aliás, Você é mulher.
Melhor:
Você é Mulher.

E acho que terá 72 anos, e continuará, apesar de qualquer pesar, Mulher.

Vinicius Moreira

Newton disse...

Eu não vi nenhum dos dois, que vergonha! Mas tenho vontade de aprender tango... e salsa!
os homens (repito, os HOMENS!) também precisam de mulheres assim, que os façam tomar um rumo, que lhes passe seguança, e que não apenas esperem as inovações, mas inovem também! Nós também precisamos nos sentir salvos, seguros, protegidos, e não apenas protetores! Por fim: os homens guiam o tango, mas as mulheres têm que saber dançar.
um beijo!